Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009
quando a crise entra em crise

crónica do paulo nogueira na revista de domingo do correio da manhã.


Austero e monástico como a crise manda, em vez de passar o réveillon em St. Barths sujeitei-me estoicamente a Paris. Ao menos nos Champs-Élysées a dona crise baldou-se. Percebo que a avenida fervilhe à noite, à grande e à francesa, com as luzes feéricas do fim-de-ano. Mas ao meio-dia, aquela multidão quilométrica a serpentear à porta de uma espelunca chamada Louis Vuitton? Já ouviu falar? 


Dá calafrios só de pisar no seu passeio, de tão extorsiva que é. Pergunto a uma ruiva ergonómica, que organiza aquele caos, a razão da histeria. Saldos? Ou Carla Bruni vem aí? A coisinha fofa explica-me que, simplesmente, não cabe toda a gente lá dentro. E a crise? Ela encolhe os ombros de porcelana. Filas nos dois McDonald’s da artéria já faz todo o sentido. Mas o Fouquet’s também entupido? Foi nesse restaurante que Sarkozy celebrou o brilharete eleitoral em 2008. Regresso à loja sumptuosa, a ruminar no que a ruiva fará logo à noite. A galinha dos ovos de ouro da Vuitton, cujas receitas quadruplicaram nos últimos dez anos, chama-se Marc Jacobs.

 

Ideólogo da marca desde 1997, conferiu-lhe um ar modernaço, da Nova Iorque de ‘O Sexo e a Cidade’, rompendo com as tias emergentes de Miami. Anna Wintour, a lendária directora da ‘Vogue’ americana (calcificada por Meryl Streep n’ ‘O Diabo Veste Prada’), achou que a contratação não ia resultar, mas errou. Antes de ele lá desembarcar, aquilo era só uma empresa de acessórios – hoje, é um totem da moda. Não que os trapinhos da Vuitton sejam um sucesso comercial – representam apenas 10% dos lucros. Mas são um marketing talismânico. E foi Jacobs quem, em 2003, recrutou o artista plástico japonês Takashi Murakami para reciclar as malas da marca. As carteiras brancas, com o monograma colorido da Vuitton, venderam de caras 300 milhões de dólares. (Lembrei-me agora daquela velhota no ‘Telejornal’: 'Se não fossem os carteiristas no Metro, eu não tinha vida sexual!'). Moral da história? O talento é sempre o mais sábio investimento. Jacobs trocou o seu apartamento em Paris (do tamanho de uma caixa de ferramentas) por uma vivenda na zona mais nobre da cidade, com vista para a Torre Eiffel (onde uma casa de dez assoalhadas está anunciada por 6,7 milhões de euros). Volto a Portugal a amaldiçoar-me por não ter telefonado à ruiva aerodinâmica. Ah, sim, e por falar em malas, descubro às minhas custas de que são feitos os anéis de Saturno. Da bagagem perdida pela TAP.



publicado por fernando alves às 23:18
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De isabel victor a 14 de Janeiro de 2009 às 00:25
Meryl Streep n’ ‘O Diabo Veste Prada’),

arrasadora. Sou fã (incondicional)



re.visito este sítio. com prazer. obrigada





abraço

iv




Comentar post

fmd.alves@gmail.com
tags

todas as tags

posts recentes

Natal

vogue italia accessory se...

ai

volta sempre

as visistas

house in leiria

coisas simples

house in leiria

house in leiria

Architecture Biennale

arquivos

Dezembro 2011

Julho 2011

Fevereiro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

links
subscrever feeds
Verandah
Verandah
online